A conjectura ABC

O poder do ABC
Jorge Buescu (DM-FCUL)
Quarta-feira, 27 de Setembro de 2017, 18h00, sala 6.2.53

Nesta sessão tratar-se-á de um famoso problema em aberto em Teoria de Números, conhecido como conjectura ABC. Mostra-se por que razão esta conjectura é provavelmente o problema mais importante da área, a seguir à Hipótese de Riemann, evidenciando as suas fortíssimas e surpreendentes consequências. Como exemplo destas consequências fornecer-se-á uma demonstração do Teorema de Fermat (módulo ABC). Finalmente, detalhar-se-á a bizarra situação actual do problema, com uma possível demonstração que a comunidade matemática se tem esforçado por decifrar ao longo da última década – sem grande sucesso até hoje.

 cartaz.pdf

Departamento de Matemática
Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa
Campo Grande, Edifício C6, Piso 2
1749-016 Lisboa

Mesa-redonda sobre saídas profissionais

E depois da licenciatura?
Mesa-redonda com licenciados em Matemática e Matemática Aplicada
Moderador: Hugo Tavares (Ciências – ULisboa)
Quinta-feira, 11 de maio de 2017, 18h30, sala 6.2.33

       

Eva Gomes (Software Developer, Coriant, Inc.)
Licenciatura em Matemática, Ciências – ULisboa, 2014
Formação Intensiva em Engenharia de Software, Academia RePrograma a tua Carreira, 2015
https://www.linkedin.com/in/eva-gomes-336aa068/

Joana Estevens (Atuária, Fidelidade Seguros)
Licenciatura em Matemática, Ciências – ULisboa, 2014
Mestrado em Matemática Financeira, Ciências – ULisboa e ISCTE – Inst. Univ. de Lisboa, 2016
https://www.linkedin.com/in/estevensjoana/

Ricardo Matos (Trader/Sales fixed income, Millennium BCP)
Licenciatura em Matemática Aplicada – Ramo Aplicações Fundamentais, Ciências – ULisboa, 2012
Mestrado em Matemática Financeira, Ciências – ULisboa e ISCTE – Inst. Univ. de Lisboa, 2014
https://www.linkedin.com/in/ricardonunomatos/

Simão Correia (Doutorando em Matemática, Ciências – ULisboa)
Licenciatura em Matemática, Ciências – ULisboa, 2011
Mestrado em Matemática, Ciências – ULisboa, 2013
https://www.researchgate.net/profile/Simao_Correia

cartaz.pdf

Departamento de Matemática
Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa
Campo Grande, Edifício C6, Piso 2
1749-016 Lisboa

Agora é a vez dos alunos!

O que andam os alunos a investigar?
Quarta-feira, 26 de abril de 2017, 12h00, sala 6.2.33

Isabel Nobre (3º ano Matemática)
Linguagens, Autómatos e Monóides
Os conceitos de autómato finito e de linguagem reconhecível surgem frequentemente em informática, onde têm diversas aplicações. O conceito de variedade de linguagens, introduzido por Eilenberg em 1976, permite formalizar a ligação que existe entre autómatos finitos, linguagens reconhecíveis e semigrupos finitos. O meu estudo é dedicado a vários conceitos fundamentais que interligam estes três tópicos.

Ricardo Shimura (2º ano Matemática)
Curvas algébricas e “dessins d’enfants”
Pretende-se mostrar como podemos obter uma representação muito simples de propriedades de curvas algébricas e de funções nelas definidas. Estas representações, pela sua simplicidade, chamam-se dessins d’enfants (do francês, desenhos de criança).

Rodrigo Duarte (2º ano Matemática)
A Desigualdade de Hilbert e possíveis generalizações
A desigualdade de Hilbert é uma desigualdade relacionada com a de Cauchy-Schwarz, que implica a convergência de uma “forma quadrática infinita”. Uma pergunta natural seria: Em que condições podemos garantir a convergência de uma tal forma? A resolução deste problema seria consequência de generalizar a desigualdade de Hilbert.

Os oradores são alunos do DM-FCUL e bolseiros do programa Novos Talentos em Matemática da Fundação Calouste Gulbenkian.

cartaz.pdf

Departamento de Matemática
Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa
Campo Grande, Edifício C6, Piso 2
1749-016 Lisboa

A FCUL entrevista Isabel Nobre
A FCUL entrevista Rodrigo Duarte

Projecção de Mercator

A Quadratura do Círculo:
História, Pré-História e Construção da Projecção de Mercator (1569)
Joaquim Alves Gaspar (CIUHCT – Universidade de Lisboa)
Quarta-feira, 22 de março de 2017, 12h00, sala 6.2.33

A projecção de Mercator, proposta pelo matemático flamengo Gerard Mercator em 1569, é justamente considerada um marco de excepcional importância na história da cartografia e da navegação. Nela, as linhas de rumo constante seguidas pelos navios no mar (as loxodrómias) são representadas por segmentos de recta que fazem com os meridianos os mesmos ângulos que à superfície da Terra. Trata-se de uma propriedade de enorme relevância para a navegação marítima e, por essa razão, a projecção de Mercator é universalmente utilizada na cartografia náutica. No entanto, o cartógrafo não deixou qualquer explicação sobre o método que utilizou para a calcular e o assunto tem sido objecto de um longo e inconclusivo debate que se prolongou por mais de um século. Nesta palestra explica-se como dois investigadores do Departamento de História e Filosofia da Ciência da Faculdade de Ciências, Joaquim Alves Gaspar e Henrique Leitão, resolveram recentemente o problema. Através da uma análise geométrica do mapa-mundo de Mercator, complementada com o estudo de fontes históricas portuguesas e europeias, foi possível concluir que o método utilizado por Mercator tem a sua origem num objecto matemático introduzido em Portugal cerca de 1540 e discutido por Pedro Nunes: a tabela de rumos.

cartaz.pdf

Departamento de Matemática
Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa
Campo Grande, Edifício C6, Piso 2
1749-016 Lisboa

A FCUL entrevista Joaquim Alves Gaspar